Perguntas frequentes - Gravidez

Deverá contactar imediatamente o centro de saúde ou a urgência do hospital, se durante a gravidez tiver:

  • Perda de líquido ou sangue pela vagina (mesmo que em pequena quantidade),
  • Corrimento vaginal com comichão, ardor ou cheiro não habitual,
  • Dor ou ardor ao urinar e alteração repentina da quantidade de urina,
  • Dores abdominais contínuas,
  • Arrepios ou febre (mais de 38ºC)
  • Náuseas e vómitos persistentes,
  • Dores de cabeça fortes ou contínuas,
  • Inchaço repentino dos pés, mãos e cara,
  • Perturbações da visão,
  • Aumento acentuado do seu peso, num curto espaço de tempo
  • Alterações da tensão arterial (sobretudo hipertensão),
  • Diminuição dos movimentos fetais

 

Como fazer a contagem dos movimentos fetais?

É conveniente aprender a contá-los no 3º trimestre da gravidez. Os movimentos do bebé são um excelente indicador do seu estado de saúde. Cada bebé tem o seu padrão de movimento e as mães têm a habilidade de saber analisá-lo melhor do que ninguém.

Comece a contar os movimentos do bebé quando se levanta (por exemplo às 9h). Quando registar os 10 movimentos anote um “X” no seu livro de gravidez na quadrícula respetiva da hora correspondente. Se tiverem passado 12 horas e não tiver atingido os 10 movimentos, assinale, abaixo da linha vermelha, o número de movimentos contados e contacte imediatamente o médico.

Realçamos o álcool, o tabaco e as drogas, como produtos proibidos durante a gravidez. Mesmo em baixas doses são responsáveis por problemas nos bebés. No caso do tabaco, lembramos que não é só a grávida que não deve fumar: todos os que a rodeiam deverão evitar fumar na sua presença!

Mesmo os medicamentos, as radiografias, TAC(s) ou outros exames que impliquem exposição aos raios X devem ser evitados. Se precisar de tomar medicamentos ou fazer um destes exames, deverá avisar os profissionais de saúde que está gravida!

A roupa deve ser prática, confortável, de preferência de fibras naturais (algodão e linho), adequada ao aumento do volume do abdómen. Evite o uso de roupa apertada. Os soutiens de alças largas são os mais indicados para o seu estado.

Pode usar uma cinta de grávida após o 5 º mês de gestação. Os sapatos devem ser cómodos, sem solas escorregadias nem saltos altos.

Sim, não há qualquer problema nem para a mãe nem para o bebé.

Só deverá haver restrição se surgirem complicações como hemorragia vaginal e ameaça de parto pré-termo, por exemplo.

As Infeções Sexualmente Transmitidas, contraídas durante a gravidez, como VIH/SIDA e sífilis, acarretam complicações graves para a grávida e para o bebé. É muito importante que tanto a grávida como o seu companheiro tenham um comportamento sexual responsável, sendo por vezes necessário a utilização de preservativo.

Sim, pode e deve, desde que seja de forma moderada e a sua gravidez não tenha complicações tais como doenças ou outras situações de risco. Aconselhe-se com o seu médico e/ou a sua enfermeira.

A atividade física moderada durante a gravidez diminui a prisão de ventre, o stress, a fadiga, as dores nas costas, o risco de hipertensão e a diabetes.

Os melhores exercícios são os aeróbicos (marcha, natação, dança de salão, etc.) ou de fortalecimento muscular leve. Aproveite para passear ao ar livre fazendo boas caminhadas.

Se não fazia exercício físico antes de estar grávida pode iniciar-se por programas de 15 mn de exercício (3 vezes por semana), até 30 mn (4 vezes por semana).

Nunca ultrapassar os 45 mn de exercício e reduza progressivamente o esforço à medida que a gravidez avança.

Se já praticava desporto ou algum exercício mais violento, poderá continuar a praticar essa modalidade no início, mas com maior moderação. Deverá evitar desportos de contacto, de movimentos bruscos ou que tenham risco de acidente (judo, râguebi, squash, basquetebol, futebol, equitação, ciclismo, esqui, mergulho em profundidade, etc.).

Ou seja, tudo tem que ser feito com crescente moderação, evitando os grandes esforços.

Finalmente, existem exercícios físicos apropriados para se fazer durante e após a gravidez, praticados nas sessões de preparação para o parto. Alguns centros de saúde e hospitais oferecem estes serviços. Informe-se!

Uma boa alimentação é importante para si e para o seu futuro bebé.
No entanto, a mãe não precisa de comer por dois! O importante é a qualidade e a diversidade e não o aumento da quantidade de alimentos.
Deve alimentar-se com frequência, mas pouco de cada vez, procurando fazer refeições pequenas com intervalos regulares (5 a 6 refeições diárias).
O seu peso deve aumentar de maneira lenta e progressiva e esse aumento (menor para as mulheres obesas e maior para as mulheres magras) é calculado em função do Índice de Massa Corporal (IMC) prévio à gravidez.
Os alimentos crus (fruta e vegetais ou mesmo a carne antes de ser cozinhada) podem ser portadores de infeções como a toxoplasmose e a salmonelose e, por isso, devem ser bem lavados. Pela mesma razão, quando mexe em produtos que vêm da terra ou crescem junto ao solo, se trabalha na agricultura ou se faz jardinagem deve ter o cuidado de não levar as mãos à boca, aos olhos e ao nariz e deve lavá-las de imediato.
O uso de luvas é recomendado.
Os alimentos devem ser preferivelmente bem cozinhados, preparados de forma simples, sem muito sal ou condimentos.
Na carne deve retirar a gordura visível e as partes queimadas.
Realçamos que, mesmo que seja feita uma alimentação variada é importante fazer um suplemento de Ácido Fólico no 1º trimestre da gravidez, de Ferro no 2º e 3º trimestres e de Iodo durante toda a gravidez e amamentação. Serão prescritos pelo seu médico.
Nas grávidas que não ingerem lacticínios, também deve ser prescrito um suplemento de Cálcio.
Algumas orientações que podem ser adaptadas ao perfil de cada mulher:
 

Devo comer Devo evitar
  • Ovos, peixe gordo (salmão, atum, arenque, sardinha) ou carnes brancas (aves, coelho) diariamente e carnes vermelhas (bovino, porco) limitar a 2-3 x semana
fontes de proteína animal
  • Ervilhas, feijão, grão, favas ou lentilhas diariamente, várias x dia
fontes de proteínas vegetais, hidratos de carbono
  • Leite, queijo ou iogurtes diariamente, várias x dia
fontes de cálcio, proteína
  • Pão, arroz, massa, farinha, flocos de cereais, batata, inhame diariamente, várias x dia
fontes de hidratos de carbono
  • Vegetais a todas as refeições e fruta 3-4x dia
fontes de vitaminas e minerais
  • Líquidos (água, infusões, sopa) diariamente, várias x dia: no mínimo 2,3l/dia
  • Leite e laticínios não pasteurizados
  • Queijo fresco e requeijão
  • Queijos mal curados
  • Enchidos e fumados
  • Mariscos e enlatados
  • Peixes com probabilidade de alta concentração de mercúrio (peixe-espada, cação, espadarte, tamboril, tintureira)
  • Carne, peixes e ovos mal cozinhados
  • Frutas e legumes crus mal lavados
  • Patês (de qualquer tipo)
  • Alimentos e bebidas doces (c/ ou s/ gás)
  • Alimentos com excesso de sal ou com aditivos
  • Café, chá, refrigerantes c/ cafeína ou bebidas energéticas
 

Adaptado de “Alimentação e Nutrição na Gravidez”. DGS. 2015

É importante tomar duche com regularidade. Evite a água muito quente e termine com água mais fria para diminuir o risco de varizes. Pela mesma razão, evite fazer a depilação com cera quente.

Após o duche, aconselhamos o uso de um creme hidratante no corpo, especialmente na zona abdominal e peito (evite produtos com corantes e perfumes).

Também deverá ter maior atenção à escovagem dos dentes para evitar infeções. Para isso deverá:

  • Escovar os dentes depois de cada refeição, pelo menos 2 ou 3 vezes/dia.
  • Preferir uma escova de dureza média e uma pasta de dentes com flúor.
  • Evitar alimentos açucarados, especialmente no intervalo das refeições.
  • Se puder, é aconselhável ir ao dentista no princípio da gravidez ou, pelo menos, entre o 4º e o 6º mês.

Se é uma gravidez normal geralmente fará no mínimo 6 consultas, em que a primeira deverá ser entre as 6 e as 8 semanas.

O médico pode considerar conveniente que a frequência das consultas seja superior.

Nestas consultas serão requisitadas diversas análises e, frequentemente, duas ecografias.

Se houver riscos de complicações, doenças associadas como diabetes, hipertensão, problemas cardiovasculares, endócrinos ou infeções, se é fumadora ou obesa, se tem antecedentes de abortos espontâneos repetidos, se é menor de 16 anos ou maior de 35 anos, provavelmente será referenciada para a consulta hospitalar.

Na primeira consulta deverá ser-lhe entregue um pequeno livro – o Boletim de Saúde da Grávida – que servirá para anotar todas as informações relacionadas com a sua gravidez. Este documento deverá acompanhá-la sempre, constituindo o “Bilhete de Identidade” desta gestação.

  • Além do aumento do abdómen que se torna visível após o 4º mês, ocorrem muitas outras alterações.
  • No início da gravidez pode surgir uma maior sonolência, náuseas e vómitos, sobretudo logo de manhã. Para evitar as náuseas experimente comer uma ou duas bolachas logo ao levantar e ao longo do dia aumentar progressivamente a quantidade de alimentos. Deve comer com frequência mas em pequenas quantidades.
  • Os seios tornam-se mais volumosos e os mamilos ficam mais sensíveis; existe uma maior pigmentação na aréola do mamilo e aumento da sensibilidade do mesmo, sendo normal o eventual aparecimento de leite no final da gravidez.
  • É normal também o aparecimento de uma linha escura na barriga. Trata-se de uma hiperpigmentação abaixo do umbigo que desaparece progressivamente após a gravidez.
  • Podem também aparecer manchas escuras na cara, denominado cloasma. Nestes casos, deverá evitar a exposição ao sol e se possível utilizar um creme protetor e hidratante.
  • Pode ocorrer obstipação (prisão de ventre). Para evitá-la deve beber pelo menos 1,5l de água por dia e ingerir fruta com fibras tais como laranjas, ameixas, kiwis, diversificar nas hortaliças e cereais integrais (pão de mistura, flocos).
  • Poderá sentir necessidade de urinar demasiadas vezes, inclusive à noite, sobretudo no início e no fim da gravidez.
  • Poderão aparecer varizes nas pernas. Para prevenir o seu aparecimento deverá evitar permanecer longos períodos de pé ou sentada (alternando entre as duas posições periodicamente). Convém descansar as pernas, elevando-as.
  • No final da gravidez podem surgir dores nas costas. Para as minorar deve tentar que a sua coluna vertebral permaneça numa posição equilibrada, nunca muito curvada. Deverá sentar-se corretamente, com apoio nas costas, e evitar carregar pesos.
  • É natural também que se sinta por vezes demasiado sensível, insegura, ansiosa e preocupada, sobretudo no primeiro e no último trimestre.

Estas alterações fazem parte do processo NORMAL da gravidez.

Se não houver qualquer problema que antecipe o parto, a criança nasce normalmente por volta da quadragésima (40ª) semana de gestação, ou 9 meses após a fecundação.

As primeiras suspeitas surgem com a ausência de uma menstruação. Poderá sentir aumento de volume e tensão mamária. A confirmação é feita através de um teste de gravidez nos primeiros dias após a falta menstrual.

Depois da confirmação é importante marcar a primeira consulta médica de vigilância, logo que possível.

Aconselhe-se junto dos profissionais de saúde nas decisões que tomar ou nas dúvidas que surgirem relacionadas com este novo projeto de vida.

A gravidez deve ser encarada como um projeto familiar, em que todos os membros da família têm um papel fundamental no bem-estar do binómio mãe-feto.

A mulher /casal deve fazer uma consulta pré-concecional para planear a sua gravidez. Desta consulta faz parte a avaliação do seu estado de saúde e preparação para a gravidez.

Esta programação prevê a toma de ácido fólico, uma vitamina importante para o crescimento do feto. Para além disso alguns fatores de risco, que podem condicionar negativamente a gravidez, podem ser detetados e controlados antes e durante a mesma.
Marcar uma consulta médica antes de estar grávida, é o primeiro e principal passo no planeamento da sua gravidez, para atingir bons resultados.